Notícias

SENSOR ULTRASSÔNICO AUXILIA DEFICIENTES VISUAIS

Aparelho que auxilia na locomoção de pessoas com deficiência visual, desenvolvido por físico do Mato Grosso, ganha Concurso Pró-Inovação Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

noticia-08-02-2011Um sensor para deficientes visuais, desenvolvido pelo físico Edivaldo Amaral Gonçalves, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), foi o primeiro colocado no Concurso Pró-Inovação Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, promovido pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (UnB), com apoio do Ministério de Educação (MEC).

O aparelho eletrônico é posicionado na testa do usuário para detectar, por meio de um sensor ultrassônico, os obstáculos a sua frente como árvores, postes e orelhões. Ao encontrá-los, ele aciona um dispositivo que permite ao deficiente perceber, a partir de sinais vibratórios de diferentes intensidades emitidos pelo aparelho, a aproximação dos objetos ao caminhar.

“Quanto mais próximo o objeto detectado, mais intenso é o sinal vibratório. Assim, além de ser informado da existência de obstáculos à sua frente, o usuário também consegue saber a sua distância aproximada para antes conseguir desviar deles”, explica Edivaldo Gonçalves.

Segundo ele, o protótipo não pretende substituir a bengala tradicionalmente utilizada pelo deficiente visual. “O aparelho serve como complemento para detecção de objetos relativamente altos, da cintura pra cima, e que a bengala não detecta”, conta. O próximo passo do estudo será a miniaturização do protótipo para sua adaptação em óculos ou chapéus.

O projeto de pesquisa também ganhou o Prêmio IFMT de Inovação Tecnológica. A Agência de Inovação do IFMT já registrou o software responsável pelo funcionamento do equipamento no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), e a redação do pedido de patente deverá ser feita nos próximos meses.

“Como o IFMT ainda não possui parceiros para o desenvolvimento desse tipo de tecnologia, iniciativas pequenas como a do Prêmio IFMT de Inovação Tecnológica possibilitam a criação de protótipos que deverão ser usados em benefício da sociedade”, aponta Gonçalves. O trabalho foi realizado em parceria com os também pesquisadores do IFMT, Evilázio Lopes Junior e Jonathan de Arruda Rodrigues.

O objetivo do Concurso Pró-Inovação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia é promover a inovação tecnológica com a transferência, ao setor produtivo, das pesquisas desenvolvidas em todos os Institutos Federais do País.

Fonte: Sociedade Brasileira de Física – SBF

 

MEMÓRIAS DE IRÍDIO

Estudo indica que metal tem propriedades excelentes para a produção de memórias cada vez mais rápidas para computadores e dispositivos eletrônicos.

Um dos metais mais raros na Terra pode ser uma excelente opção para a produção de memórias cada vez mais rápidas para computadores e dispositivos eletrônicos, segundo estudo feito por um grupo de cientistas de Taiwan. Trata-se do irídio, o elemento químico de número atômico 77, um metal de transição muito resistente à corrosão. É empregado em ligas de alta resistência que podem suportar elevadas temperaturas. Pouco abundante, é encontrado na natureza associado ao ósmio e à platina. “Ao inserirmos nanocristais de irídio na porta flutuante, uma parte crítica da memória flash, verificamos excelente capacidade de funcionamento bem como estabilidade nas temperaturas elevadas usadas no processamento de tais dispositivos semicondutores”, disse Wen-Shou Tseng, do Instituto de Pesquisa em Tecnologia Industrial de Taiwan, um dos autores do estudo. Os resultados foram publicados no “Applied Physics Letters”, periódico do American Institute of Physics. A porta flutuante é um dos tipos de transistores na memória flash, separada da porta de controle por uma camada fina de um óxido.
Os cientistas escolheram o irídio principalmente por duas propriedades muito desejadas na fabricação de memórias eletrônicas. Em primeiro lugar, o metal mantém fortemente seus elétrons, o que é uma propriedade excelente relacionada com a manutenção de informação digital. Em segundo, tem um ponto de derretimento de cerca de 2.500 oC, muito acima dos 900 oC que os chips precisam suportar durante a fabricação. Além disso, apesar de ser raro, apenas um bilionésimo de bilionésimo de grama de irídio é necessário para cada porta das memórias.
Muitos países têm investigado novas formas de melhorar a popular memória flash, que é um tipo de chip de memória não volátil usado em praticamente todas as câmeras digitais e eletrônicos portáteis. Recentemente, a memória flash também tem sido aplicada em computadores, como a nova versão do MacBook Air, da Apple.
Segundo o novo estudo, a maneira mais fácil para que as futuras memórias do tipo contenham mais dados e possam gravar e acessar dados mais rapidamente está na diminuição das dimensões dos chips atuais, incluindo das portas de seus transistores.O problema é que o desenho da porta flutuante atual já evoluiu até um ponto a partir do qual não será possível diminuir muito mais e continuar suportando as cargas elétricas responsáveis pelo armazenamento dos dados. E é aí que entram os nanocristais de irídio, propostos como uma mudança relativamente simples para melhorar a performance e reduzir o tamanho dos componentes, sem que isso implique alterar fundamentalmente seu desenho atual. O artigo “Formation of iridium nanocrystals with highly thermal stability for the applications of nonvolatile memory with excellent” trapping ability (doi:10.1063/1.3498049), de Wen-Shou Tseng e outros, pode ser lido por assinantes da “Applied Physics Letters” em http://link.aip.org/link/applab/v97/i14/p143507/s1
(Agência Fapesp, 15/12)

 

FOGUETE DE MÉDIO PORTE É LANÇADO EM ALCÂNTARA

(Notícia postada em 12/12/2010)

Foguete alcançou 241,9 km de altura e levou experimentos de universidades. Lançamento ocorreu no início da tarde deste domingo (12/11/2010).

Foguete Lançado com sucesso do Centro de Lançamento de Alcântara (Maranhão)

Foguete Lançado com sucesso do Centro de Lançamento de Alcântara (Maranhão)

Um foguete de médio porte foi lançado ao ar neste domingo (12), com sucesso, do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. O lançamento, realizado às 12h35 (13h30 no horário de Brasília), faz parte do programa de lançamentos de foguetes de sondagem, coordenado pela Agência Espacial Brasileira (AEB).  Desenvolvido por técnicos brasileiros, o foguete VSB-30 foi projetado para ter uma autonomia de voo de 250 quilômetros e carregar até 400 quilos. Segundo a assessoria do CLA, o foguete brasileiro atingiu uma altura máxima de 241,9 quilômetros.  O foguete levou dez experimentos de universidades, institutos de pesquisas e alunos do ensino fundamental que integram os programas desenvolvidos pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), para serem submetidos a testes no ambiente de microgravidade (valores de gravidade próximos de zero), que se encontra a partir dos 100 quilômetros de altura. Os experimentos são nas áreas de bioquímica, ciências de materiais, ciências térmicas, genética e posicionamento global.  Por volta das 15 horas (de Brasília), depois do sucesso de lançamento e retorno do VSB-30 à Terra, foi iniciado o processo de recuperação da carga útil do foguete. Ou seja, os dez experimentos que foram submetidos ao ambiente de microgravidade caíram no mar e estão sendo resgatados numa operação que envolve helicópteros da Aeronáutica.  De acordo com a assessoria de imprensa do CLA, por ter experimentos, a carga útil do foguete não pode ficar no mar. Os resultados sobre como se comportaram os experimentos no ambiente de microgravidade serão conhecidos posteriormente.
(G1, 12/12)

 

CIENTISTAS ENCONTRAM PRIMEIRO EXOPLANETA RICO EM CARBONO

(Notícia Postada em 10/12/2010)

É possível que planeta tenha altas quantidades de grafite, diamante e outras formas não conhecidas de carbono.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Princeton, dos Estados Unidos, descobriu que o planeta WASP-12b, um dos exoplanetas mais quentes já descobertos, tem uma relação carbono-oxigênio maior que a vista no nosso sistema solar, segundo informou a revista britânica Nature. Os especialistas chegaram a essa conclusão após analisar a luz que o planeta reflete.WASP-12b orbita uma estrela ligeiramente mais quente que o Sol a uma distância quarenta vezes mais próxima que aquela que a Terra tem do Sol, por isso é considerado um dos exoplanetas mais quentes conhecidos até o momento, com uma temperatura de superfície de 2.200ºC, mostra o estudo.”Esse planeta revela a impressionante diversidade de mundos que há lá fora”, disse Nikku Madhusudhan, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. “Planetas ricos em carbono podem ser exóticos de todas as formas – formação, interior e atmosfera.”É possível que o planeta tenha altas quantidades de grafite, diamante e ainda outras formas não conhecidas de carbono em seu interior. Até o momento, astrônomos não têm a tecnologia para observar o interior dos exoplanetas (ou planetas que orbitam outras estrelas que não o Sol), mas suas teorias trazem possibilidades intrigantes.O planeta Terra tem muitas rochas, como o quartzo, que são feitas de sílica, oxigênio e outros elementos. Mas planeta onde o carbono fosse predominante seria um lugar muito diferente. “Um planeta terra com carbono predominante teria muitas rochas de puro carbono, como o diamante ou grafite”, disse Joseph Harrington, responsável pela pesquisa. Isso significa que, nesse mundo o diamante não seria uma pedra preciosa.O carbono é um componente comum nos sistemas planetários e um ingrediente chave para a vida na Terra. Astrônomos muitas vezes medem a relação carbono-oxigênio para ter uma ideia da composição química dos astros.

(O Estado de SP, 10/12/2010)


  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: